fbpx
A trajetória como autora do livro "Abusada" por Susete Pasa | Revista Oka
A trajetória como autora do livro "Abusada" por Susete Pasa | Revista Oka

A trajetória como autora do livro “Abusada” por Susete Pasa

Hey, Habib! A Revista Oka dá início a uma série de entrevistas com mulheres reais e super inspiradoras. Na pauta de hoje nossa convidada, Susete Pasa, compartilhou conosco sua trajetória como autora do livro “Abusada”. Nos presenteando com um lado mais intimista da profissão, Susete conta como sempre foi sua relação com os livros, com a escrita, além de descobrir sentimentos e alcançar a tão sonhada superação. Confira!

O começo de tudo…

Eu sempre amei os livros. E a emoção atravessa-me, punge em mim, ao lembrar do “relacionamento” que tenho com os livros e com a escrita. Os livros me convenceram de que a cultura é o mais alto dos valores. Você pode perder sua casa, seu dinheiro e sua família, mas ninguém poderá tirar seu conhecimento. Os livros me salvaram da solidão, da depressão, da tristeza, da vida infeliz que eu levava.

Todas as noites eu sonhava com dias melhores e felizes. Que um dia eu sairia daquela existência patética, infeliz e de exploração. Enquanto isso eu ia lendo… A escrita veio muito tempo depois. Mas lembro que, no passado, comecei escrevendo em diários, isso lá na minha adolescência. E foi algo no meu relacionamento me fez parar de escrever. Parei, porque meu ex era muito curioso, sempre queria ler as minhas anotações.

Porque estava passando por depressão, e externalizar meus pensamentos parecia me deixar pior. Deixei durante longos anos. Eu só retornei esse hábito quando iniciei a terapia. Voltei a fazer registros diários sobre o que eu sentia, de como meu ex me tratava. Ao analisar agora percebi que, anteriormente, não era o ato de escrever que me deixava mal, mas sim, relembrar os sentimentos de humilhações e continuar com ele.

Mais que uma superação, um resgate | Trajetória como autora

A trajetória como autora do livro "Abusada" por Susete Pasa
A trajetória como autora do livro “Abusada” por Susete Pasa

Resgatei o hábito de escrever como uma oportunidade para me auto analisar após a escrita, como eu estava me sentindo. Assim, eu poderia aprender sobre mim mesma naquele momento. Escrever todos os dias pode parecer uma prática difícil, para quem não tem esse hábito, mas não existe melhor orientação que simplesmente sentar e escrever qualquer coisa que vier à sua mente.

De alguma maneira, seus pensamentos começam a aparecer e a se organizar para a escrita quando você se força a fazê-lo. A escrita encantou-me. Desde uma simples frase até textos maiores. Fui virando gente aos poucos, porque os traumas e a tristeza me corroeram por dentro. Mas segui devagar até surgir o livro “Abusada”. Aprendi que superar é acreditar no seu querer e no seu poder.

O seu pior adversário é você mesma, não se deixar abater por pensamentos negativos, porque assim, você nunca será capaz de atrair coisas novas e positivas para a sua vida. Não fique focada em suas fraquezas ou defeitos, pense nas forças ocultas, e nas novas oportunidades que vão surgindo a cada dia. Saiba usar da melhor maneira possível para atravessar o que estiver te interrompendo. Eu superei escrevendo.

Hey, Habib! Agora que você conheceu um pouco sobre Susete Pasa e sua trajetória como autora, que tal CLICAR AQUI para conferir uma entrevista falando mais sobre seu livro e sua história com um relacionamento abusivo?

Comentários

Leia Mais
A Mais Bela Gordinha do Brasil